Board index Joy of Satan Portugues "Abrasileirando" a cultura ítalo-germânica

"Abrasileirando" a cultura ítalo-germânica

JoSportuguese – Joy of Satan em Português


Este grupo é para falantes de língua portuguesa que desejam estabelecer um relacionamento com Satan e discutir Satanismo Espiritual de forma séria.

Nós acreditamos que Satan e seus Demônios são seres reais. Seu tu és Satanista filosófico ou crê de outra forma, não tentes empurrar vossa crença aqui.

Pessoas que simpatizem com e/ou apoiem os inimigos de Satan (judeus, cristãos e muçulmanos) serão BANIDAS!

Blasfêmia contra Satan e/ou seus Demônios não será tolerada!

Se tu acreditas que Satan e seus Demônios são malignos, este grupo não é para ti, procure outro.

Não tentes empurrar crença Wiccana ou outros credos não-satânicos aqui.

Não tentes promover indivíduos, grupos ou organizações que atacam o Joy of Satan. Suas postagens serão apagadas e tu serás banido.

Qualquer um que promova qualquer coisa ilegal será banido, salvo Nacional-Socialismo e Revisionismo Histórico se estes forem criminalizados em vosso país.

Por favor, seja educado. Provocações não serão toleradas.

http://portugues.bucurialuisatan.com

http://expondocomunismo.bucurialuisatan.com

http://thirdsexthulesociety.weebly.com/portugues.html

http://ssbiblioteca.webs.com

Sumo-Sacerdotisa Myla Limlal

Moderators: Egon, High Priestess Myla Limlal666



Posts: 197
Está aí algo que eu espero nunca entender, e muito menos dar apoio. Qual é o objetivo de se organizar uma festa étnico-cultural cujo conteúdo não tenha absolutamente nada a ver com a sua matriz?

Imagine que alguém organize uma festa japonesa, com toda a estética cultural japonesa, em uma cidade de colonização japonesa, mas cujo conteúdo fosse tão banal quanto qualquer outra festa por aí, com as mesmas atrações do sistema, com os mesmíssimos artistas das grandes rádios e suas mensagens de merda. Em outras palavras, por que então uma festa temática japonesa, com nome japonês e cores do Japão, mas cujo objetivo seja, exceto pela estética, tudo menos japonês? Por que querer parecer japonês, mas sendo o mais anti-japonês o possível? Não parece absurdo? Pois isso é o que mais acontece entre as ditas festas alemãs no sul do Brasil.

A perda das suas raízes e da cultura originária é o que
de mais trágico pode acontecer a um povo


Em Ponta Grossa, minha querida cidade, temos um caso assim, onde apesar do nome Münchenfest para a festa do chope escuro, qualquer elemento germânico que não sirva para pura estética e atrativo para turistas, é visto como um grande fardo.

Image
32ª Oktoberfest de Santa Cruz do Sul… tipicamente alemã?

É o caso agora de Santa Cruz do Sul, cujo cartaz fala por si só (com direito à pornografia sonora de uma Valesca ou um Catra, e ainda os Racionais MC’s, conhecidos por não gostarem nem um pouco da nossa gente). Mas a verdade é que nós não temos como culpar aos demais, sequer culpar a um Racionais ou a quaisquer desses elementos estranhos às festas alemãs, porque o principal adversário, conspirador e inimigo é sempre interno. Se ali eles se encontram, é porque alguém de dentro fez questão da presença, alguém que teoricamente deveria estar ao nosso lado, algum “dos nossos”. Para conquistar o público externo, destroem o que é interno. Um público externo que ainda se deixa levar por um simples nome de festa em alemão e imagina que ali o culto está vivo! Que ilusão! E o que deveria ser o cultivo de um espírito, de algo que está por desaparecer, se torna a pá de terra final sobre um corpo agonizante.

Depois de tantas perseguições, depois da proibição da língua e de toda a conspiração contra a comunidade alemã, vista como traidora da terra pela qual sempre lutou, finalmente agora que nos encontramos livres é que apressamos de vez a nossa própria morte! Nós não podemos criticar a forma com que o governo brasileiro esquece da nossa existência (como acontecido nas últimas olimpíadas, como se um brasileiro de origem alemã fosse algo inconcebível ou uma vergonha para o país), não podemos culpar a globalização e toda a tentativa de destruição das nossas raízes, sem antes reconhecer a amarga verdade de que o próprio descendente de alemães é o grande responsável por fazer que a sua cultura desapareça, consciente ou inconscientemente. E essa está sendo a nossa grande tragédia.

Mas nada disso importa agora, todo lamento se torna inútil, falar das coisas ruins é falar do óbvio. Desvantagens sempre estarão à nossa volta, elas sempre existiram. Tudo piora e coletivamente parece cada vez mais difícil de ser salvo ou recuperado. Para aqueles que pretendem fazer com que o restinho de cultura alemã não desapareça de vez, cabe preservar a essência no espírito e no coração, pois em última instância é uma questão de honra fazer com que isso tudo não morra em nós mesmos. Já ao final daquela grande guerra, um homem teuto-brasileiro muito sábio havia previsto a nossa tragédia, reforçando assim a nossa responsabilidade individual para que o espírito continue a viver:

“Se a Alemanha tivesse que desaparecer, ainda em minha vida, do grande cenário das nações, e a nossa Germanidade fosse irremediavelmente a pique, pois não, então quero ser o último alemão no estrangeiro. Afinal de contas, se ainda cabe à Alemanha uma missão, então há de ser uma vontade divina que nós alemães no mundo nos empenhemos em colaborar para tal efeito. E se nossa mãe está orientada para a unidade, tendo como premissa a tribulação e tristeza, então essa união deve ter também para nós sentido e providência, digo para nós os que nos encontramos dispersos como lascas do carvalho alemão, até os confins do mundo. Declaro-me fiel a essa semente com todo o ímpeto do meu caráter e com toda a sinceridade masculina de minha natureza germânica”.

Sabemos que muitas festas alemãs foram criadas apenas para atender os interesses financeiros de seus organizadores e arrecadar fundos para as prefeituras, porém percebam o que está acontecendo:

Como se não bastasse a falta de representatividade da cultura sulista no cenário nacional, agora contamos também com um processo de “aculturação” patrocinado pelo Ministério da Cultura / Governo Federal, que resolveu apoiar shows de funk na Oktoberfest. Muitos dirão que é excesso criticar tal iniciativa, porém além da afronta cultural, teremos que lidar com questões de cunho moral.

Image
Sulistas protestam pela rede contra as atrações subversivas da 32ª Oktoberfest de Santa Cruz do Sul
Atrações da 32ª Oktoberfest de Santa Cruz do Sul geram revolta entre sulistas

Para esclarecer, darei dois exemplos utilizando o repertório dos próprios artistas:

1°- Suponha que um jovem resolva passar pela apresentação da cantora Valesca (no dia 11). Ele terá a “oportunidade” de ouvir a seguinte letra:

“Quando eu te vi de patrão, de cordão, de R1 e camisa azul
Logo encharcou minha xota e ali percebi que piscou o meu cu
Eu sei que você já é casado, mas me diz o que fazer
Porque quando a piroca tem dona é que vem a vontade de fuder
Então mama, pega no meu grelo e mama
Me chama de piranha na cama
Minha xota quer gozar, quero dar, quero te dar”.

Sem dúvida é uma canção que eleva o espírito, certo?

2°- Imagine uma moça de família tradicional que vestiu seu Dirndl (traje típico alemão), reuniu os familiares e foi para a festa.
Image

Caso ela passe pelo show do Mr. Catra (no dia 11) poderá apreciar esta “música” abaixo; vemos a forma “poética” com que Catra respeita a figura feminina:

“Quando eu te vi no portão, de trancinha, tamanco e vestido azul
Logo latejou o meu pau e ali logo vi que piscou o seu cu
Puxei sua calcinha de lado e dei três cuspidas pro meu pau entrar
Então eu fiquei assustado, porque você só queria mamar…”

Toda mulher adoraria ouvir isso, não é?

Além do Mr. Catra e Valesca,o evento conta com a participação do grupo Racionais, que faz apologia ao crime estimula o conflito entre classes e etnias, e Mc Biel que recentemente se envolveu em uma polêmica quando assediou sexualmente uma jornalista.


“A mesma vaca loura circulando como sempre”… assim os Racionais MC’s pretendem demonstrar o seu respeito ao público feminino teuto-descendente local, na próxima 32ª Oktoberfest

E então eu pergunto a você leitor: é isso que merecemos? É esse repertório cultural que desejamos aos nossos filhos? É essa a consideração que temos pelo esforço de nossos antepassados? E é este apreço que temos pela nossa cultura? Certamente NÃO!


Através do Facebook, muitos internautas expressaram
a sua revolta para com as atrações principais da 32ª Oktoberfest

As festas alemãs celebram o espírito do povo, a herança cultural e a riqueza de nossa gente. Enaltecem a família, a memória de nossos ancestrais, valorizam o heroísmo e integridade dos homens e a pureza e fidelidade das mulheres. Não permitam que os valores de nossa gente sejam substituídos por uma tendência imposta. Defenda a sua raiz com todo ímpeto e força de sua natureza germânica e, se possível, avisem aos demais que as festas típicas devem corresponder ao povo e Wir sind das Volk!



Reza a lenda que se você mostrar esse vídeo para um sionista, ele morre ou enlouquece...

http://inacreditavel.com.br/wp/a-grande-tragedia-das-comunidades-alemas-no-brasil
http://inacreditavel.com.br/wp/a-grande-tragedia-das-comunidades-alemas-no-brasil-parte-ii
"O objetivo político e a política de Hitler são direcionados para alcançar seu objetivo sem perda de sangue, conseguindo ascender à posição de maior poder na Alemanha com muito pouco derramamento de sangue ou perda de vidas humanas em uma terra de 68 milhões de habitantes...", Daily Mail, 20 de Maio de 1938

"Ele era um guerreiro para a humanidade e um arauto da justiça para todas as nações. Ele era uma figura reformadora do mais elevado grau, e foi o seu destino histórico que ele tinha que trabalhar em momento de baixeza sem precedentes, que no final o derrubou." - escritor norueguês e Prémio Nobel, Knut Hamsun


Posts: 2652
Location: Internet — "The cradle of 21st century White Supremacy"

Muitíssimo grato por postar esse artigo! Repugnante o que esses judeus de merda estão fazer!
Vou baixá-lo no pc e talvez repostá-lo em um dos sítios posteriormente.

Em uma das respostas ao artigo acima:
Na Bahia existem festas tradicionais africanas que proíbem a participação de brancos. Não ouço nenhum choramingo dos paladinos da diversidade e tolerância contra esse patente ato de descriminação:
http://www.sul21.com.br/jornal/carlinhos-brown-gera-polemica-em-salvador-com-criacao-de-circuito-carnavalesco-exclusivo-para-negros
http://www.geledes.org.br/carnaval-2010-ile-aiye-desfila-pela-primeira-vez-sem-a-bencao-de-mae-hilda


Só faltam agora quererem denegrir também uma festa ainda mais familiar que é a Festa Pomerana... Á já esqueci, os judeus já devem ter pensado em tranformar isso:




Nisso:

Image


Posts: 197
Egon wrote:
Só faltam agora quererem denegrir também uma festa ainda mais familiar que é a Festa Pomerana... Á já esqueci, os judeus já devem ter pensado em tranformar isso:




Nisso:
Image


O problema é que não é só com festas:
http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/de-ponto-a-ponto/noticia/2016/01/criciuma-sai-da-rota-dos-imigrantes-haitianos-ganeses-e-senegaleses-4959688.html
Felizmente a noticia é a diminuição no sul do Brasil, mas o aumento no Uruguai e Argentina.
"O objetivo político e a política de Hitler são direcionados para alcançar seu objetivo sem perda de sangue, conseguindo ascender à posição de maior poder na Alemanha com muito pouco derramamento de sangue ou perda de vidas humanas em uma terra de 68 milhões de habitantes...", Daily Mail, 20 de Maio de 1938

"Ele era um guerreiro para a humanidade e um arauto da justiça para todas as nações. Ele era uma figura reformadora do mais elevado grau, e foi o seu destino histórico que ele tinha que trabalhar em momento de baixeza sem precedentes, que no final o derrubou." - escritor norueguês e Prémio Nobel, Knut Hamsun


Posts: 471
Esse tipo de frustração do autor do texto vem de pessoas que não conhecem o tamanho do odio que os judeus tem pelos europeus em geral. Eu não me irrito nem me frustro com isso pq espero a coisa mais horrenda, mais repugnante, mais odiosa possivel sempre.

Da pra notar que eles aliviam um pouco quando querem associar cristianismo à cultura europeia. Por exemplo, no natal em Blumenau a historia de Jesus é contada em Alemão impecável. Assista a TV cultura no Sul, SEMPRE que eles falam da historia dos italianos ou alemães eles falam de uma igreja ou metem cristianismo no meio.
Image


Return to Joy of Satan Portugues